domingo, 23 de agosto de 2015

Resenhando: Festim das 12 Cadeiras, do autor Elvis DelBagno

OLÁ AMANTES,

Quem já ouviu falar no filme Festim Diabólico, do diretor Alfred Hitchcock?! Bom, o livro que iremos falar hoje é claramente inspirado na obra desse grande diretor, e como um bom cineasta e escritor Elvis Delbagno trás o livro Festim das 12 Cadeiras. Com críticas à sociedade, Delbgano trás com forte ironia e comicidade, um jantar que terá como alvo o suspense que um prêmio em dinheiro pode gerar.







Festim das 12 Cadeiras apresenta um jantar promovido pelo casal Laerte e Carlão, contando com inusitados convidados. Na mesa recém comprada com 12 cadeiras, uma delas está com uma riqueza de 100 mil reais em jóias. O prêmio será dado para a pessoa que sentar nessa cadeira. Mas será que quem sentar nela vai merecer o prêmio?


Delbagno é um cineasta independente que conduz a narrativa como um roteiro. Sua direção com os personagens guia uma inserção à cabeças com pensamentos tão esquisitos quanto o de muita gente na vida real. Com doses cavalares de sarcasmos, o leitor é apresentado a um grupo onde ninguém é atrativo e todos são egoístas, sempre buscando seus interesses e desejos acima de qualquer coisa

O desenvolvimento dos personagens tem atenção especial, facilitando para o leitor decidir quem é bom ou ruim no meio da história. Todos os personagens são exóticos dentro da normalidade da sociedade, por este motivo se tornam, muitas vezes, insuportáveis. Não levem isso como uma crítica ao autor, essa foi a intenção dele e consegue atingir o objetivo. É muito difícil gostar de alguém dentro do grupo.


A narrativa é lotada de referências à filmes clássicos, ferramenta que conectou bem as referências dadas com a história contada. Algumas divagações filosóficas sobre a vida e a arte cinematográfica, foram os pontos altos do livro. Sendo assim, uma figura de linguagem não muito utilizada nos livros.

No entanto, diversas vezes, a história apresenta-se desconexa e com saídas demais da narrativa o que causou certo incomodo. As mudanças constantes no que está sendo mostrado, pode fazer com que o leitor se perca, não sabendo o que está sendo abordado. Esse livro vai de 0 a 100 km/h várias vezes, deixando a lógica para trás em diversos momentos, enfraquecendo o potencial que a obra apresenta. Por esses motivos, minha nota é 3/5.

Ainda continuo chamando a atenção para as publicações da Editora Schoba . A impressão, capa e diagramação são sempre impecáveis.

Gostaram do livro? Podem procurar nas livrarias e na internet. Para quem curte cinema a obra é um deleite para os olhos, por diversas vezes parece que estamos assistindo a um filme. Quem gostar de ler também vai apreciar, a história é leve e muitas vezes divertida.

Curtiram a resenha? Então lembrem de comentar e divulgar. Nos visita nas nossas redes. Abraços.

4 comentários:

  1. Olá, Casal! No livro, reconheci várias pessoas que já passaram pela minha vida. Pessoas igualmente interesseiras e egoístas. A arte imita a vida ou a vida imita a arte? hehe Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Lu. Eu também reconheci. Muita gente desagradável passou e passa também pela minha vida. Queremos mais pessoas legais como você no mundo, seria tudo mais legal. Valeu pelo comentário. Beijos.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir